Review do livro Reinventando Você

Participei da palestra de Carlos Alberto Júlio no Centro de Convenções de Natal – RN, com o mesmo tema do livro. No livro, ele se aprofunda mais no tema de como podemos nos adaptar e manter a empregabilidade e satisfação nos dias de hoje.

As dicas são muito bem temperadas com sua história de vida em que teve que passar por um momento de reflexão e tensão devido uma doença que poderia ser grave, mas que felizmente não foi e permitiu que ele se reinventasse e compartilhasse essa sua experiência com a gente.

Vou mostrar nesse post os pontos que mais me chamaram a atenção no livro.

Fazejamento Inicio o post colocando um termo que Carlos Alberto usa no livro e que achei muito interessante: Fazejamento, que é a mistura de fazer + planejamento, ou seja, o profissional hoje tem que estar preparado para simultaneidade.

O modelo de divisão, separação, não está mais dando conta com efetividade de diversos problemas atuais, então agora ao invés de só planejar, o profissional tem que dominar a parte estratégica e também a execução (mão na massa). Continue lendo

Linguagem Ruby e Educação: um acordo feito no céu (tradução)

É importante não generalizar a linguagem Ruby como se fosse algo que resolverá todos os seus problemas. Ela tem propósito geral, mas será adequada em determinados contexto e outros não, como todas as outras linguagens. O propósito desse post do Kate Cunningham que eu traduzi é mostrar que as características do Ruby são muito harmônicas com as características necessárias em um ambiente efetivo de aprendizado.

Isso não quer dizer que o aluno deva estacionar no Ruby. Ele terá o caminho facilitado para o mundo da programação com Ruby, mas isso será só o primeiro passo. Ele deverá sim, aprender outras linguagens, pois é a única forma de se aprimorar como profissional de uma área tão dinâmica. O texto original você encontra aqui. Fique agora com a tradução:

A linguagem Ruby tem recebido muita atenção na última década, especialmente com o advento do Ruby on Rails em 2005. Enquanto a blogosfera está utilizando Ruby a muito tempo, vamos nos perguntar como, exatamente, a linguagem Ruby é propícia para um ambiente educacional.

Claro, podemos ir para a relevância da linguagem Ruby, pois se você está recebendo treinamento em um ambiente educacional para se tornar um programador de computador, e você não sabe o Ruby, então você está ficando cada vez mais fora do circuito. No entanto, linguagens de programação vêm e vão, e educação não é sobre as tendências, é sobre as idéias que sustentam o valor no decorrer dos anos. Continue lendo

Manifesto Faça Você Mesmo! (tradução)

Esse manifesto foi criado por Ulla-Maaria Mutanen, uma estudante de Ph.D. da universidade de Helsinki na Finlândia. Ela pensou sobre porque nós adoramos fazer coisas. Gostei muito desse manifesto, pois tem tudo a ver com a ideia de aprender fazendo. Através da experimentação conseguimos nos divertir enquanto aprendemos coisas. O texto original você encontra aqui. Fiquem agora com o manifesto:

Continue lendo

Bom ou ruim? Quem decide é o cliente!

O seguinte caso ocorreu quando tentei comprar 3 garrafões d’água mineral:

Visitei a  primeira loja mas não consegui efetuar a compra, porque ela só fazia entrega de 8h às 12h e de 14h às 18h, ou seja, eu precisaria faltar o trabalho para poder receber esses garrafões d’água, ou então, esperar até o fim de semana (mais 4 dias sem água).

Devido esse problema de incompatibilidade de horários com o primeiro vendedor, fui em busca de um segundo vendedor.

Cheguei no local e fiz a encomenda dos três garrafões. A marca da água mineral era nova no mercado local. A vendedora falou que a água era muito boa, de ótima qualidade. Daí começou a discussão: Continue lendo

Papo-de-Nerd: Nerd 2.0

Participei do OxenteRails 2009, Rails Summit 2009, CearáOnRails 2009 e agora OxenteRails 2010 e ficou claro que uma nova cultura nerd está se espalhando cada vez mais rápido. Essa nova cultura nerd eu chamo de Nerd 2.0.

O ponto chave é que não dá mais para ficar somente na frente do computador (nerd 1.0). Agora o Nerd tem que ser sociável, tem que equilibrar seu gosto por tecnologia com seusrelacionamentos interpessoais, seja com amigos, trabalho ou o que for (Nerd 2.0).

A tecnologia é importante sim, mas ela deve estar sempre em função das pessoas e nunca o contrário.

Continue lendo

Scratch – A Linguagem de Programação mais simples que já vi!

Confesso a vocês que a última vez que fiquei tão impressionado com um software foi com o lançamento do google earth.

Já faz um tempo que venho buscando uma forma de ensinar programação para crianças ou para quem nunca programou na vida. Fiz recentemente um post mostrando o ruby como uma candidata forte pela sua simplicidade e até apontei como uma possibilidade em cursos de graduação.

Mas mesmo assim ainda é complexa, pois programação requer a compreensão de vários conceitos: variáveis, constantes, loops, ramificações entre outros. Além da dificuldade de escrita que geralmente o iniciante tem.

Mas, pesquisando na web essa semana, finalmente encontrei o que procurava:Scratch – uma linguagem de programação que facilita a criação de jogos, conteúdo interativo, musicas e trabalhos artísticos, além de possibilitar o compartilhamento do programa na web, depois de finalizado. Ele é totalmente gratuito e já tem disponível uma opção para deixar os comandos em português.

Continue lendo

Learn BDD Playing Dice – ebook

Hello Ruby enthusiast! Hello BDD enthusiast! Welcome to this journey line by line, test by test, using the Behavior Driven Development technique in a interesting project: War Dice Simulation!

I wrote this tiny book to learn BDD and RSpec for myself. I would want to start with a little example. And if was possible with a funny example too. Then I thought: Why not playing dice! Why not playing war dice! Then there you are: Learning BDD playing dice!

The app that we’ll create together uses two classes: Dice and WarDice.

The first chapter I start to construct the RSpec file of Dice class and the Dice class simultaneously and step by step until all of the tests become green.

The second chapter I go on with the WarDice class, that is a simulation of each dice of war game!

Finally, the third chapter I use the classes in a funny shoes application.

The philosophy of this book is to learn making funny things. In one word: Experimentation. Then I hope you enjoy this simple but also instructive book.

The tests used in this book aren’t a silver bullet. They are only a way between some others. How I told, I made to learn RSpec. You can send suggests, clone the project, modify it and codify in other ways. Who knows we’ll playing together in the 2.0 version of this book :).

Now just read the book and have fun! Check more news here.

Aprenda BDD Jogando Dados – ebook

Olá entusiasta do Ruby! Olá entusiasta de BDD!  Te convido a ler, baixar, modificar, clonar ou fazer o que quiser com o livro: Aprenda BDD jogando Dados!

Esse mini-livro é uma jornada linha a linha, teste por teste, utilizando a técnica do Desenvolvimento Orientado a Comportamento (Behavior Driven Development) em um projeto muito interessante: Simulação dos dados do jogo War!

Eu escrevi esse pequeno livro para aprender BDD e RSpec, por isso eu tinha que falar sobre algo simples e de preferência que fosse divertido. Então eu pensei: Por que não jogar dados! Porque não jogar dados do jogo War!
Então aqui está: Aprenda BDD jogando dados!

A aplicação que nós criaremos juntos usa duas classes: Dice e WarDice. No primeiro capítulo eu construo o arquivo RSpec da classe Dice e a classe Dice simultaneamente e passo a passo até todos os testes tornarem-se verdes.

No segundo capítulo eu continuo o desenvolvimento com a classe WarDice, aquela que fará a simulação de cada dado do jogo war!

Finalmente, no terceiro capítulo eu uso as classes criadas em uma divertida aplicação feita em shoes. A filosofia desse livro é aprender fazendo coisas divertidas. Em uma palavra: Experimentação.

Então eu espero que você aproveite esse livro simples mas também muito instrutivo. Os testes usados nesse livro não são uma solução definitiva. Eles são somente possibilidades no meio de outras. Como eu disse, eu o escrevi para aprender RSpec. Você pode enviar sugestões, clonar o projeto, modificá-lo e codificá-lo de outra forma. Quem sabe não faremos juntos a versão 2.0 desse livro .

Fique agora com o livro: